ILUMINAÇÃO NA DECORAÇÃO

Primeiramente, para dimensionar uma boa iluminação na decoração, que seja bonita e funcional, precisamos saber que tipo de ambientes estamos criando para que seja feito uma boa distribuição e que atenda as expectativas do cliente.

Abaixo seguem alguns exemplos:

Escritório – a iluminação principal deve ser difusa direcionada para baixo para não cansar os olhos.

Exemplo de cozinha.
Imagem de Ryan Doka por Pixabay

Cozinha – a iluminação deve ser clara e uniforme.  As regiões mais iluminadas em caso de cozinhas grandes e que precisam mais de um ponto de luz são as bancadas de trabalho. Podem ser utilizados iluminações complementares como item decorativo, tal como fitas de LED em armários.

Caso tenha mesa de jantar ou bancada junto a cozinha, pode ser utilizado pendentes para criar uma iluminação pontual e esteticamente harmônica.

Hall – Pode-se trabalhar luzes pontuais para dar destaque a um quadro, por exemplo.

Quarto – Recomenda-se utilizar luzes mais quentes e confortáveis, como por exemplo, pendentes e  arandelas que podem ser utilizados como focos para leitura.

Imagem de ErikaWittlieb por Pixabay

Sala de Estar-   Esse geralmente é ambiente da casa mais personalizado. Portanto, precisa ser um local harmonioso e agradável.

Desta forma é interessante trabalhar com iluminações que permite destacar moveis ou ainda, elementos decorativos, mas que ao mesmo tempo mantenha o ambiente claro.

Abajures e luminárias instaladas no piso podem deixar o ambiente ainda mais bonito e confortável.

Por fim, atente-se, apenas para não colocar pontos de iluminação sobre o sofá, poltrona ou mesmo de pufes, pois essa iluminação pode incomodar quem sentar logo abaixo do foco de luz.

Quer ficar por dentro de outras dicas relacionados a arquitetura e decoração? Clique aqui e siga nosso blog!